Visions of Suffering

 

Rússia  |  2017  |  85 minutos | Diretor: Andrey Iskanov

Depois de perder sua namorada por causa de sua obsessão com a necrofilia, morte e fascínio por decompor corpos humanos, Sasha cai em desespero. Ele sofre terríveis pesadelos onde está vagando por uma floresta morta do outro mundo, cheia de neblina e criaturas estranhas. Mas o sonho e a realidade se misturam, quando ele encontra um xamã demoníaco e um misterioso reparador de telefone encontra sua linha defeituosa no meio da noite ...

Para salvar a si mesmo, Sasha se aventura em um mundo sem formas, habitado por vampiros atormentadores, lésbicas sedutoras e demônios espreitando em cada sombra, trazendo morte e destruição em seu caminho. Considerado um dos mestres do cinema de terror extremo underground e experimental, ao lado de diretores como Marian Dora ou Karim Hussain, Iskanov marca seu inevitável retorno após 12 anos de Visions of Suffering (2006), que nunca o satisfez, e tem a chance de fazer um filme completamente diferente.

 

Andrey Iskanov, nascido em 1976 em Khabarovsk, na Rússia, é um fotógrafo e cinegrafista profissional, filmando para filmes e publicidade, além de maquiador profissional e designer de efeitos especiais. Previamente um estudante em um instituto médico, ele desenvolveu um grande interesse em fotografar imagens, o que se tornou o seu negócio e o garantiu um prêmio por conquistas no campo da publicidade fotográfica em 1997. Na Rússia e na China, ele fez várias exposições pessoais de seu trabalho.


O diretor trabalhou como fotógrafo de jornais ("Arguments and the Facts", "The Amur Meridian" etc.) e se engajou com a criação de portfólios e treinamento fotográfico para modelos nacionais e estrangeiros. Em 2003, ele fez dois longas para sua série de filmes de fantasia surreal HalluCinoGeNnN - "Nails" e "Visions of Suffering": o primeiro sendo um filme de terror social no estilo "Eraserhead" de Lynch e "Tetsuo" de Tsukamoto, e o último um filme de terror bizarro e sobrenatural adequado ao conceito de "filme-sonho" do autor. Em 2008, Iskanov realizou o "Philosophy of a Knife" com mais de 4 horas de duração, um filme histórico muito perturbador sobre a Unidade Japonesa 731 e seus cruéis experimentos humanos contra chineses e russos. O filme foi oficialmente proibido na Alemanha e todas as cópias foram confiscadas. O último longa de Iskanov, "Ingression" (2009), estreou no BUT Underground e no Trash Film Festival, na Holanda, e recebeu o prêmio White Lady no HOFF, na Estônia.